Pular para o conteúdo principal

A NOVA CONSTITUIÇÃO BRASILEIRA - Emanuel Medeiros Vieira


“Nesse país da noite/Meu Tormento/Como um cavalo em chamas,/Como um potro/Lacerado de espinhos, Nesse país do escuro,/Nossa pátria/De fúrias rodilhadas, /Meu silêncio/Como no beijo dos mortos,/Como o frio/Roçar do lábio ausente”.
                                      (Myriam Fraga)

Fica restaurada a escravidão.  Revoguem-se as disposições em contrário. Os idosos dão muitas despesas à Previdência: devem ser eliminados. Como as crianças que nascerem com deficiência.  É preciso endurecer. O país será dirigido por banqueiros– que mais entendem do “negócio”, ajudados por assessores, nas agências financeiras ou na mídia – onde muitos já escrevem com penas alugadas (e bem pagas).
A democracia não dá certo nesse hemisfério. As raças se misturaram e tudo ficou feio, sujo, onde todos só querem saber de direitos. Nem todos poderão votar. Como ocorreu em certa época, só votarão os donos das maiores fortunas .  O chicote poderá ser novamente usado. Quem resistir,  será eliminado.
CLT? É uma idiotice. Ela será expurgada, como a Justiça do Trabalho. A melhor solução é a terceirização total. Como a derrubada de todos os direitos trabalhistas.

Todos terão que sorrir – pelo menos três vezes por dia. Não serão permitidos (o Grande Irmão será o censor) a tristeza, a amargura e o desencanto.
O pior é que aqui nasce muita gente. Só será permitido o primeiro casamento. Ame-o- ou deixe-o. Nenhuma oposição será permitida, nem a mais moderada.
Desejamos um “Grande Irmão”, que fiscalize a todos – até os seus pensamentos.
Queremos rebanhos – para que todos pensem a mesma coisa e tenham os mesmos valores.
Serão criadas milícias armadas, vestidas de preto, contra a subversão da ordem, com a autoridade de atirar para matar.
Por enquanto é só isso. Os cérebros que ousarem pensar, serão  exilados (ou mortos antes do degredo). Já há uma boa experiência no período em que o Brasil viveu, segundo a Oposição, uma ditadura. E em todas as escolas, serão lidas diariamente as palavras abaixo citadas:
“Abaixo a inteligência, viva a morte”!
 Foi a proclamação é do general fascista (falangista) , Millan Astray, em 1936,  durante a Guerra Civil espanhola, ao invadir a Universidade de Salamanca, na Espanha. O reitor era o  grande  filósofo e pensador humanista Miguel de Unamuno
(Salvador, maio de 2017)

postagem enviada pelo autor



Comentários

Cris Dakinis disse…
Não dá para deixar de ler um artigo desses, daí que também é justo comentar:

"Caía a tarde feito um viuaduto..."

Pois é, já aconteceu antes e vai-se repetindo a história nefasta de que retirar direitos e terceirizar criam progresso. Uma doidice, não é mesmo? Será que se retornássemos ao tempo dos primórdios da Revolução Industrial, digamos, os ingleses estariam felizes por ter tão somente "trabalho"? Trabalho não é prêmio. Herdeiros e rentistas que respondam. Emprego com direitos, sim. Porque trabalhar sem garantias para sustentar luxo de poucos é regime de escravidão, e sem perspectivas. É o interminável império da ignorância, concordo.

Postagens mais visitadas deste blog

Trajes Poéticos - RIMA EMPARELHADA

rimas que ocorrem seguidamente em pares.

*********

os poemas publicados aqui participaram do concurso Trajes Poéticos realizado pelo Clube de Poetas do Litoral - salvo os poemas dos autores cepelistas que foram os julgadores dos poemas.              

VII Seletiva Nacional de Poesia – 2017 Para a edição do livro VII COLETÂNEA SÉCULO XXI

VII Seletiva Nacional de Poesia – 2017 Para a edição do livro VII COLETÂNEA SÉCULO XXI - que trará uma Homenagem ao poeta e professor Pedro Lyra – 
(será o 41º livro editado pela PoeArt Editora- DESDE 2006 COM VOCÊ!) (Prazo: ATÉ 30 de abril de 2017)
(somente pela INTERNET)


   A PoeArt Editora de Volta Redonda RJ, institui o livro VII Coletânea Século XXI  (depois das bem sucedidas Antologias Poéticas de Diversos Autores, Vozes de Aço da I a XVIII, depois do sucesso da I a VI Coletânea Século XXI, do livro Cardápio Poético, 1ª e 2ª edição, I a III Coletânea Viagem pela Escrita. Dentre os já homenageados por suas contribuições literário-culturais em nossos livros, estão: Adahir Gonçalves Barbosa, Alan Carlos Rocha, Álvaro Alves de Faria, Astrid Cabral, Clevane Pessoa, Flávia Savary, Flora Figueiredo, Gilberto Mendonça Teles, Maria Braga Horta (in memoriam), Maria José Bulhões Maldonado, Mauro Mota, Olga Savary, Oscar Niemeyer, Pedro Albeirice da Rocha e Pedro Viana.


SEM TAXA DE INSCRIÇÃO: (AT…

SAFRA VELHA DE CLÁUDIA BRINO recebe indicação do International Poetry News

É com alegria e surpresa que acabo de receber de Giovani Campisi a notícia de que o livro Safra Velha de Cláudia Brino (Costelas Felinas) é um dos livros indicados para concorrer ao Prêmio Nobel de Literatura 2018.

Indicado pelo jornal International Poetry News entre 25 títulos de autores internacionais encaminhados ao Comitê Organizador do Prêmio Nobel de Literatura - 2018
A indicação foi feita pela Direzione Editoriale / Edizioni Universum

clique na imagem e veja a IPN  INDICAÇÃO NO - INTERNATIONAL POETRY NEWS


Este livro não é vendido em livrarias e se movimenta à margem da grande mídia. Adquirindo a versão impressa você receberá dedicatória especial tendo o seu nome impresso no livro.