O POETA E SUA PROFECIA, O PROFETA ANUNCIANDO A POESIA - Marcelo Shell.

O poeta não tem zíper na boca, nem algemas em suas mãos...
Ele interpreta as sensações mais loucas, os emblemas da sua inspiração!
Rima a dor com o amor, é o chafariz que banha a flor, no deserto das almas ressequidas.
***
O poeta é o canto africano, triste, uníssono e profano, da escravidão de suas vidas...
É a humanidade ferida, pelo requinte que insiste, dos tolos desenganos, das acorrentadas partidas!
O poeta é berrante pois, destes afileirados bois, que rumam ao matadouro, de um mundo em aberração.
****
E quando o lastro da última esperança, já gasto pela desconfiança, jaz no peito morredouro, o poeta surge então...
Com o seu derradeiro alento, um carinho feito vento, na poesia balsamizada, no elixir da sua unção!
E canta em coro acompanhado, corta o choro desengonçado, traz de volta o sorriso onde o pranto era a lida.

Marcelo Shell
Membro da Academia de Letras do Brasil.
Belo Horizonte, 06 de Maio de 2017

postagem enviada pelo autor

Comentários

Anônimo disse…
concordo plenamente : não há como segurar o poeta...
gostei muito de suas palavras .
Pamela Andrade