A NOVA POESIA - Gerson Monteiro

Forma Sintética de Poesia Contemporânea. Como motivação política para sustentação das novas proposições artísticas, a poesia nascida na Mariana do início do século XXI elegeu a liberdade como condição de existência do poeta, conforme advoga Gilberto Miranda Teles:
(...) obediência às regras não significa que o escritor não tenha liberdade e possibilidades de modificá-las, de ampliar suas funções, de acrescentar-lhes novos matizes de significação, de descobrir para elas novas funções no processo cultural. (TELES, G,M, 1986, p 1 – in Livro II das Aldravias)
Baseada nestas afirmações ouso acolher as Aldravias de Gerson Monteiro, um jovem escritor mageense, pertencente à ACLAM, Academia de Ciências, Letras e Artes de Magé, que já publicou dois livros de poesia, Cuca Legal e Segredo da Vida.
Quando lhe sugeri aprender a nova poesia ele logo se interessou. Após as primeiras orientações escreveu vinte e nove aldravias em um roteiro poético. Fugindo às regras da aldravipeia, um conjunto de vinte aldravias com repetição de uma palavra escolhida pelo autor, em todas elas. Seria uma pena sugerir que ele as modificasse para adequá-las às regras desta variante da nova poesia marianense. Inspirada em Teles, classifiquei-as de aldravipeia livre, sem a obrigação de repetir sempre a mesma palavra em cada uma delas. Pois foram escritas espontaneamente, antes de conhecer as regras desta variante da aldravia. Ele continuou brincando com as palavras e escreveu mais treze aldravias e até a dedicatória do livro.
Gerson Monteiro é inteligente, criativo e cheio de talento.  O fato de ter aceitado meu convite para vir, à minha casa, fazer uma oficina desta nova poesia, já foi um passo rumo ao seu aprendizado. Confesso minha surpresa pela facilidade de Gerson na compreensão e composição desta nova modalidade poética.
Seja bem vindo, meu jovem, ao mundo aldravianista.


Benedita Azevedo - Presidente da ACLAM

Adquira diretamente com o autor
Costelas Felinas - livros e revistas artesanais

Comentários

Anônimo disse…
Muito interessante este estilo poético. É o texto está bem explicativo.
Anderson Freitas