O AMOR NÃO TEM FRONTEIRAS - Mario Rezende

O romance relata o entrelace de duas pessoas através da internet 
**************************

Margot estava passeando pela internet, quando encontrou, num site, a seguinte poesia:

ANDORINHA

Vai minha andorinha,
que desgarrada, habitou, solitária,
este velho farol.
Vai.
Ficarei observando o seu voo derradeiro,
até a linha do horizonte,
na despedida do sol.
Testemunha silenciosa
desse amor incomum.
Vou ficar aqui,
iluminando a noite dos sonhos,
na esperança.
Vai andorinha,
encontra o seu bando.
Eu vou ficar aqui,
eu e o sol, ouvindo o vento.
Vai andorinha,
eu vou ficar aqui,
na esperança
de um dia você voltar.

Saí-azul



Ficou encantada, e resolveu escrever para o e-mail do autor...

De: flormulher@rede.com.br
Assunto: sua poesia
Para: sai-azul@degraca.com.br
Data: quarta-feira, 17 de setembro de 2008, 16:17

Linda poesia, adorei! Sua ANDORINHA me fez viajar, imaginar, muita sensibilidade e tristeza, talvez... Será? Beijo.

De: sai-azul@degraca.com.br
Assunto: re: sua poesia
Para: flormulher@rede.com.br
Data: quinta-feira, 18 de setembro de 2008, 15:20

Obrigado. Fiquei feliz que tenha gostado. Foi a única pessoa que comentou. Beijo.

De: flormulher@rede.com.br
Assunto: re: re: sua poesia
Para: sai-azul@degraca.com.br
Data: terça-feira, 30 de setembro de 2008, 16:17

Gostei muito mesmo! Só escreveu essa? Beijo.

De: sai-azul@degraca.com.br
Assunto: re: re: re: sua poesia
Para: flormulher@rede.com.br
Data: quarta-feira, 01 de outubro de 2008, 14:13
Pensei que não iria me escrever mais, demorou a res-ponder. Tenho outras poesias, sim. Já publiquei algumas, mas exclui do site. Se você quiser, eu publico de novo. Beijo.

De: flormulher@rede.com.br
Assunto: re: re: re: re: sua poesia
Para: sai-azul@degraca.com.br
Data: quarta-feira, 01 de outubro de 2008, 16:17

Calma, você parece que é muito ansioso, ou é solitário? Eu estava viajando... Por que você não cria um blog para postar as suas poesias? Beijo, poeta ansioso! Aliás, eu nem sei o seu nome... pode me dizer? O meu é Margot. Você não perguntou, mas eu digo assim mesmo... Gos-tou?

De: sai-azul@degraca.com.br
Assunto: re: re: re: re: re: sua poesia
Para: flormulher@rede.com.br
Data: quinta-feira, 02 de outubro de 2008, 14:20

Eu não tenho muito tempo para isso. Mas se você quiser, eu mando para o seu e-mail.  Você pode publicar os que eu mandar no seu nome mesmo, não tem importância. Beijo, flor Margot... Adorei o seu nome. O meu é David.

De: flormulher@rede.com.br
Assunto: re: re: re: re: re: re: sua poesia
Para: sai-azul@degraca.com.br
Data: quinta-feira, 02 de outubro de 2008, 16:17
Jamais faria isso. As poesias são suas e você merece os créditos. São lindas, assim como você deve ser. Adorei você me chamar de flor, David. Eu também escrevo, sabia? Quer ler algumas de minhas poesias? Eu publico no meu blog: flormulher@blogrede.com.br. Vá me ler. Queria que você comentasse. Beijos, poeta.

De: sai-azul@degraca.com.br
Assunto: re: re: re: re: re: re: re: sua poesia
Para: flormulher@rede.com.br
Data: terça-feira, 07 de outubro de 2008, 14:05

Visitei o seu blog, você escreve muito bem. Beijo, flor.


Adquira o livro diretamente com o autor
Costelas Felinas - livros e revistas artesanais

Comentários