Pular para o conteúdo principal

QUE FAZER? - EMANUEL MEDEIROS VIEIRA

QUE FAZER?

EMANUEL MEDEIROS VIEIRA

Para  Gerônimo Wanderley Machado

Não é por acaso que a história do capitalismo tenha relação direta com a história do declínio da subjetividade, do fim do autoconhecimento, da mercantilização da biografia,  do crescimento da indústria de celebridades e das vedetes
                                          (Márcia Tiburi)

Aproveito uma obra de Lênin para intitular o texto abaixo.
Não, não vim para falar de materialismo histórico..
Queria meditar um pouco sobre o “mal estar da civilização”, agora aproveitando-me de um título de Freud.
Sem nostalgia, em  uma certa época – que vivi intensamente (por exemplo, a década de 60) –, a gente tinha ilusões, utopias, esperanças.
Havia a sensação “inter-subjetiva (não só individual) de termos um horizonte político.
A tragédia brasileira é não ter nenhuma perspectiva.
Pessimismo? Não creio.
É pela defesa da vida – acreditem – que escrevo este texto.
A gente internalizava tais perspectivas – mesmo sob o tacão de uma ditadura militar, mesmo sofrendo a violência da tortura, do exílio, de mil processos etc.
Percebe-se uma espécie de fascistização do mundo – não falo só da corrupção que degrada, que tira as esperanças e que enoja.

É o crescimento da extrema-direita, sem falar nos Estados Unidos.
Apesar das toneladas de papel que já foram escritas sobre Trump, queria meditar rapidamente sobre sua ascensão.
Não apenas dizer que ele canalizou as frustrações de uma classe média branca e empobrecida  – nos EUA.
Philip Roth escreveu sobre o atual presidente dos EUA: “Donald Trump é ignorante sobre governo, história, ciência, filosofia, arte, incapaz de expressar ou reconhecer sutileza ou nuance, destituído de toda decência e detentor de um vocabulário de 77 palavras” (...).
 Houve uma época em que ser atacado com tanta violência por um dos mais importantes escritores americanos do seu tempo (Phiilp Roth), “representaria uma dor de cabeça séria para o presidente dos EUA”, como observou Sérgio Rodrigues.
Hoje, suas palavras caem no vazio, ficaram no”sopão  frio de uma cultura em que deixamos de dar bola para o que pensam os escritores”.
É um tempo de trevas, mas não para desistências.
Precisamos fazer o que for possível para recuperar o HUMANO, A ESPERANÇA.
Como? Caminhando. Como já disse alguém, as estradas foram feitas para serem  trilhadas.
“Aqueles que não caminham por medo de cometer um erro cometem o mais grave deles” (Papa Francisco  –Homilia, “Domus Sanctae Marthae”, 8 de maio de 2013)
(Salvador, fevereiro de 2017)

postagem enviada por EMANUEL MEDEIROS VIEIRA

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Trajes Poéticos - RIMA EMPARELHADA

rimas que ocorrem seguidamente em pares.

*********

os poemas publicados aqui participaram do concurso Trajes Poéticos realizado pelo Clube de Poetas do Litoral - salvo os poemas dos autores cepelistas que foram os julgadores dos poemas.              

VII Seletiva Nacional de Poesia – 2017 Para a edição do livro VII COLETÂNEA SÉCULO XXI

VII Seletiva Nacional de Poesia – 2017 Para a edição do livro VII COLETÂNEA SÉCULO XXI - que trará uma Homenagem ao poeta e professor Pedro Lyra – 
(será o 41º livro editado pela PoeArt Editora- DESDE 2006 COM VOCÊ!) (Prazo: ATÉ 30 de abril de 2017)
(somente pela INTERNET)


   A PoeArt Editora de Volta Redonda RJ, institui o livro VII Coletânea Século XXI  (depois das bem sucedidas Antologias Poéticas de Diversos Autores, Vozes de Aço da I a XVIII, depois do sucesso da I a VI Coletânea Século XXI, do livro Cardápio Poético, 1ª e 2ª edição, I a III Coletânea Viagem pela Escrita. Dentre os já homenageados por suas contribuições literário-culturais em nossos livros, estão: Adahir Gonçalves Barbosa, Alan Carlos Rocha, Álvaro Alves de Faria, Astrid Cabral, Clevane Pessoa, Flávia Savary, Flora Figueiredo, Gilberto Mendonça Teles, Maria Braga Horta (in memoriam), Maria José Bulhões Maldonado, Mauro Mota, Olga Savary, Oscar Niemeyer, Pedro Albeirice da Rocha e Pedro Viana.


SEM TAXA DE INSCRIÇÃO: (AT…

SAFRA VELHA DE CLÁUDIA BRINO recebe indicação do International Poetry News

É com alegria e surpresa que acabo de receber de Giovani Campisi a notícia de que o livro Safra Velha de Cláudia Brino (Costelas Felinas) é um dos livros indicados para concorrer ao Prêmio Nobel de Literatura 2018.

Indicado pelo jornal International Poetry News entre 25 títulos de autores internacionais encaminhados ao Comitê Organizador do Prêmio Nobel de Literatura - 2018
A indicação foi feita pela Direzione Editoriale / Edizioni Universum

clique na imagem e veja a IPN  INDICAÇÃO NO - INTERNATIONAL POETRY NEWS


Este livro não é vendido em livrarias e se movimenta à margem da grande mídia. Adquirindo a versão impressa você receberá dedicatória especial tendo o seu nome impresso no livro.